Visto do Tribunal de Contas

Agora que o Tribunal de Contas (TdC) aprovou o empréstimo para liquidar a dívida com a EDP, deixando assim a Câmara Municipal de Gondomar um pouco “mais folgada” apesar da sua pesada mensalidade, o caminho seria folgar também os gondomarenses com um reajuste aos impostos, como o IMI; IRS; preço da água, entre outros.

É preciso ter a consciência real do problema de deixar dívidas às gerações vindouras de Gondomar, não podemos onerar o futuro dos gondomarenses da mesma forma que fomos onerados com esta dívida.

Este executivo tem o dever de adotar uma gestão cuidadosa, realista, e ter completa noção que deve sempre ambicionar uma redução da dívida da câmara municipal, não dando expectativas aos gondomarenses que não possam ser cumpridas com clareza nas suas prioridades de atuação.

Para o Partido Social Democrata a natalidade seria um tema prioritário, assim como a educação desde a requalificação de escolas até às componentes de apoio à família.

Um reajuste na devolução dos impostos que têm impacto direto nos orçamentos das famílias dos nossos munícipes, como o caso da devolução de parte do IRS aos contribuintes gondomarenses, e medidas concretas de combate às alterações climáticas e prevenção dos incêndios florestais no concelho.

São necessárias mais medidas de apoio à nossa classe média, às famílias de Gondomar e aos nossos jovens.

O executivo do Partido Socialista tem agora a responsabilidade de, no atual quadro financeiro, encontrar as melhores soluções para um melhor futuro para Gondomar.

, ,