Daniel Vieira: candidatura da CDU acredita que é agora

IMG_5365

O candidato em diálogo com uma gondomarense

A campanha da CDU, coligação que junta PCP e PEV, percorre Gondomar ao som do hino, cantado pela vocalista dos Deolinda, Ana Bacalhau, e apelando aos gondomarenses “Que seja agora”. Ao leme da candidatura segue Daniel Vieira, cabeça de lista à presidência da Câmara Municipal de Gondomar, que regista cada incentivo como se fosse o primeiro e promete uma mudança inédita no concelho.

 Na CDU o dia começa junto dos trabalhadores do Município de Gondomar, no Parque Operacional, em Fânzeres. Daniel Vieira chega ao local, mas a sua equipa já estava por lá, tal como o candidato à União das Freguesias de Gondomar (São Cosme), Valbom e Jovim, António Valpaços. Objetivo? Contactar com os funcionários da Câmara, “sinal de uma política de valorização dos trabalhadores, que são um ativo indispensável para o desenvolvimento do concelho”, diz o candidato.

A conta-gotas, bem próximo da hora de entrada, começam a chegar os colaboradores da autarquia que se mostram admirados com a presença da candidatura comunista, logo no primeiro dia oficial de campanha autárquica.

“Vou votar em si”, ouve-se por ali. O apoio existe e é bem recebido por Daniel Vieira, que confiante lá desabafa: “vamos ter aqui alguns votos desta malta”. Na equipa, concordam com ele. Mas o que mudaria para os trabalhadores? “No nosso entendimento, tem sido desenvolvida uma política ziguezagueante relativamente aos funcionários da Câmara de Gondomar. Foi assim na questão das 35 horas de trabalho e parece-nos necessário um investimento neste ativo, bem como um reforço de quadros para dar resposta às necessidades dos gondomarenses. Além disso, sentimos que os trabalhadores dirigem-se a nós e mostram o seu apoio e incentivo à nossa caminhada. Esse fator deixa-nos confiantes e otimistas”, assegura o comunista.

Contudo, a campanha tem as horas contadas e é necessário rumar ao centro de Gondomar (São Cosme), onde está prevista a próxima ação do dia. Antes, está marcado um ponto de encontro no Centro de Trabalho do partido, junto ao Tribunal de Gondomar. É lá que reúnem a comitiva que irá fazer-se à estrada, a pé, com passagem pela Praça Manuel Guedes e pela repartição de Finanças de São Cosme. “Força Daniel, vamos mudar isto!”, atira uma gondomarense que espera a CDU à porta de casa.

Pelo caminho, o candidato aproveita para conversar com quem vai encontrando, ouve críticas e apresenta as suas propostas aos eleitores, prometendo “um novo rumo para o concelho”. “Encontramos algumas pessoas que nos transmitiram o seu apoio. Isto é demonstrativo da confiança que a nossa candidatura recebe um pouco por todo o concelho. Verificamos também que o centro de São Cosme precisa de ser revitalizado porque tem um abandono acentuado, pouco comércio e surge a necessidade de o revitalizar”, afirma Daniel Vieira.

Feita a jornada no centro de São Cosme, é hora de regressar ao Centro de Trabalho antes de rumar a São Pedro da Cova, território que ainda é presidido pelo agora candidato da CDU à Câmara de Gondomar.

“Confesso que há um misto de sentimentos. Não posso negar que tenho as minhas raízes em São Pedro da Cova. Foi esta terra que me viu nascer e estou profundamente ligado a ela. São Pedro tem as condições para ser alavanca do concelho. Tem um património natural, material e imaterial por valorizar, tem as pessoas e as suas coletividades. Procurei dar o melhor de mim a esta comunidade, mas ainda há problemas estruturais por resolver”, acrescenta Daniel Vieira, que espera resolver processos como a remoção integral dos resíduos perigosos e a criação de um espaço museológico ligado ao antigo património mineira da vila.

A visita é realizada no Largo da Feira de Vila Verde, junto do candidato à União das Freguesias de Fânzeres e São Pedro da Cova, Pedro Miguel Vieira.

Perto da hora de almoço, já com pouco movimento, a candidatura decide apostar no contacto com os comerciantes locais, que recebem Daniel Vieira com pompa e circunstância. Aqui todos o tratam pelo primeiro nome. “Daniel, anda aqui. Vamos ganhar isto. Que seja agora”, repete quem o vê.

Ao nosso jornal, Daniel explica que travou “uma luta que trouxe resultados”, reportando-se aos resíduos inertes que ali foram depositados. “Acredito que aquilo que fiz enquanto presidente de Junta terá na Câmara outra dimensão. Exigiremos a remoção completa dos resíduos e planearemos a requalificação de toda a área afetada, incluindo a questão do complexo industrial mineiro. Admitimos que houve melhorias na gestão socialista, mas a autarquia deveria ter tido outro papel nesta questão”, sublinha o autarca.

No entanto, também a falta de saneamento preocupa os sampedrenses, nomeadamente na zona da Belavista. Questionado por nós, Daniel Vieira considera “urgente” dotar a Belavista com estruturas de saneamento. “As Águas de Gondomar são muito habilidosas na procura do lucro e durante a construção das estruturas de saneamento deixaram as ruas mais pequenas para trás. É, por isso, necessário que a autarquia obrigue a concessionária a cumprir o melhor serviço para os gondomarenses”, refere sem esquecer o alto do concelho, “onde existem freguesias que não têm saneamento”.

E assim passou a manhã. Segue-se o almoço, em Melres.

A tarde começou em Melres e terminou em Rio Tinto

A pausa para almoço realizou-se bem perto do edifício da Junta de Freguesia de Melres, junto ao rio Douro. Foi dali que a comitiva comunista partiu ao encontro dos melrenses na arruada da tarde, acompanhados por Sandra Bastos, candidata à União das Freguesias de Melres e Medas.

“Aqui vamos ganhar, estou muito convicta”, atira a candidata a Daniel Vieira. No núcleo deste território a confiança é a palavra e ordem. Confiança que passa também para Daniel Vieira, que promete “disputar as eleições em Melres e Medas”.

“O nosso programa eleitoral expressa a ligação que temos às necessidades das pessoas e deste território. Aqui fazemos uma campanha porta-a-porta, pessoa-a-pessoa. Preferimos este estilo e é desta forma que conseguimos ouvir e falar com os eleitores, transmitir-lhes as nossas mensagens e propostas”, esclarece o candidato.

Em Melres, “há muito por fazer”. Desde logo, o saneamento, “que é necessário concluir”, a par da mobilidade “que é também uma questão grave e preocupante para os que aqui residem”. Para isso, a CDU propõe a criação de “uma zona industrial, quer para atrair mobilidade quer para fixar população no território”.

O relógio já marca 16h45 e é necessário voltar à zona urbana, mais concretamente a Rio Tinto, onde há encontro marcado com as trabalhadoras da Jerisa, empresa de confeções, com um quadro de funcionários maioritariamente feminino.

“Temos um hábito de vir aqui. Estamos aqui para dar a conhecer as nossas propostas e para valorizar uma empresa significativa do nosso concelho. Sentimos que as outras candidaturas não apostam neste tipo de contactos”, aponta Daniel Vieira.

Falamos de emprego e de desemprego, num concelho onde a taxa é das mais elevadas a nível nacional. O que propõe a CDU? “Uma política de valorização do setor produtivo. É necessário que existam benefícios fiscais ao nível da derrama para que as empresas possam criar empregabilidade de média e longa duração”, diz Daniel Viera.

Segue-se uma reunião com os responsáveis do Centro Social de Soutelo (CSS), uma das maiores IPSS de Gondomar. A iniciativa da candidatura serve para ouvir as necessidades da instituição e apresentar ideias para o setor social.

“Estamos a auscultar algumas instituições e coletividades. Temos a intenção de dar um contributo sério ao movimento associativo e à área social. É necessário clarificar as competências nesta área porque o problema já vem de trás”, começou por dizer Daniel Vieira, acompanhado por José António Pinto, popularmente conhecido como “Chalana”, número dois da candidatura CDU a Gondomar.

No final da reunião, fez-se um balanço positivo da troca de ideias. José Ricardo, coordenador do CSS, disse, em nome da instituição, “identificar-se bastante com a apresentação feita pela CDU”. Contudo, não deixou de apontar a “perda de 150 mil euros de receitas, em quatro anos, de acordo com os rendimentos dos utentes”. “Estamos bastante aflitos e aguardamos uma resposta do Governo ao nosso pedido de ajuda”, apontou José Ricardo.

Por sua vez, Daniel Vieira saiu como entrou, “sem promessas” e disposto “a definir uma nova linha de ação social em Gondomar”.

 

Mesa redonda sobre o presente e o futuro dos animais em Gondomar encerrou o dia de campanha

À noite, teve lugar uma mesa redonda intitulada “O presente e o futuro dos animais de Gondomar”, na Junta de Freguesia de Gondomar (São Cosme). A sessão contou com uma dezena de participantes, a maioria preocupada e insatisfeita com as soluções do Município para os animais abandonados que percorrem o concelho. “Não venho cá fazer-vos promessas, venho cá ouvir-vos e saber o que posso fazer por esta causa”, disse Daniel Vieira na abertura do debate.

O amor à causa exaltou os ânimos, mas no fim todos concordaram que ainda é possível fazer mais e melhor. “Vocês merecem um terreno e a Câmara de Gondomar deve preparar-se para a lei do abate. Estamos todos de acordo que hoje em dia não faz sentido abater animais e o Município devia antecipar isso. Julgo também que falta, essencialmente, um plano a longo prazo sobre esta matéria”, concluiu Daniel Vieira.

No final do dia o cansaço é derrotada pela confiança do candidato que acredita, tal como a canção que o acompanha, que “tem de acontecer, porque tem de ser/ se é para acontecer, pois que seja agora”.

 (Caixa) Jerónimo veio dar força à CDU Gondomar

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, juntou-se a Daniel Vieira, candidato da CDU à Câmara de Gondomar, e Joaquim Barbosa, primeiro candidato à Assembleia Municipal de Gondomar, numa arruada realizada em Fânzeres, da Praceta dos Heróis do Ultramar até à Igreja Matriz da vila.

, ,