“Gondomar no Coração”

Pedro Oliveira / CDS-PP

Neste tempo de fazer escolhas urge que os gondomarenses não se deixem influenciar pelo discurso daqueles que, na ânsia de chegar ao poder, tudo prometem fazer e dar, numa disponibilidade facilitista apenas centrada na conquista dos votos dos eleitores mais incautos e, por isso, menos avisados para tais estratégias populistas.

A verdade é que as diferentes candidaturas fizeram a sua campanha e publicitaram as respetivas opções interventivas para os próximos quatro anos, competindo aos eleitores municipais saber fazer a devida triagem, percebendo qual delas se encontra melhor apetrechada, seja em termos de programa apresentado, seja em termos da qualidade dos atores propostos para o desenvolver. E a este nível, a responsabilidade dos eleitores gondomarenses é particularmente elevada, pois as suas diferentes opções tomadas no passado, apenas fizeram empurrar o concelho para este imenso estado de letargia em que se encontra, perdendo protagonismo e perdendo importância relativa, designadamente no âmbito da Área Metropolitana.

Importa assim que os gondomarenses estejam mais alertas que nunca, até porque quem governou e governa o concelho reitera na apresentação de candidaturas nestas eleições, devendo decididamente escolher a mudança, votando em quem tem um verdadeiro projeto transformador para Gondomar, ou seja, a coligação PSD/CDS-PP sob o slogan “Gondomar no Coração”.

Gondomar precisa de avançar no tempo e de reentrar na senda do desenvolvimento não almejando, com toda a certeza, fazê-lo, sendo administrado por quem já demonstrou não possuir os exigíveis valores estratégicos que, para esse propósito, o concelho invoca.

Urge, consequentemente, que os cidadãos votantes de Gondomar interiorizem as propostas das diferentes candidaturas e concluam quem claramente lhes propõem a tão reivindicada modernidade.

Gondomar exige competência.

Gondomar, de uma vez por todas, tem direito ao seu futuro.

Nestas eleições, os gondomarenses têm, inequivocamente, o seu futuro nas mãos.

, , ,